O lustre – Clarice Lispector

o-lustre-clarice

” Virgínia, todos os dias você vendo café-com-leite gosta de café-com-leite. Vendo pai você respeita pai. Arranhando a perna você sente dor na perna, já compreendeu o que eu quero dizer? Você é vulgar e estúpida… A Sociedade das Sombras sabe que você é vulgar porque você não pensa, como se diz, com profundeza, porque você só sabe seguir o que lhe ensinaram, está entendendo? A Sociedade das Sombras manda que você amanhã entre no porão, sente-se e pense muito, muito para saber o que é de você mesma e o que é que lhe ensinaram.” pg.65

Na literatura Brasileira tem muita coisa boa

Valoriza o teu próprio universo, valoriza o que há dentro do teu guarda-roupa. Estuda-o com carinho, te veste com e repara que tu podes sair muito bem vestido (a) com o que tens e ser digno de mostrar ao mundo o teu valor. Se tu não faz bom uso das coisas boas que tens, quem fará?

“…os arreios já estavam na estrebaria. Eu me enfiei numa calça que tinha sido de pai, para montar com mais liberdade. Me servia perfeitamente, eu sabia. Pai era magro como eu, e tinha um pouco mais que a minha altura. Enfiei todo o dinheiro no papo de ema, e amarrei aquele rolo grosso em redor da minha cintura, apertado, como via pai fazer. Vesti em cima o casaco de pai, para esconder a cintura aumentada. Espalhei pelos cantos da casa uns canudos de pólvora que João Rufo tinha me ajudado da preparar. Derramei pelo chão e pelas paredes todo o pote de azeite de carrapato que se guardava para as candeias. Ensopei tudo de azeite o mais que podia. Trabalhei ligeiro, mas com calma, nunca pensei ter tanta calma. ”  MEMORIAL DE MARIA MOURARACHEL DE QUEIROZ

 

Memorial de Maria Moura